Delírios da Meia Noite

Hoje enquanto eu estava no banho (é o lugar onde tenho os melhores debates comigo mesma, e de onde tiro minhas maiores conclusões sobre a vida), e lembrei de quando eu era criança, vocês acreditam que por uns 5 anos da minha vida eu usava casaco ou blusa de manga cumprida mesmo no verão?

Pois é! Eu sempre achei meus braços esquisitos, muito finos, muito longos, mas até aí tudo bem, até que um dia, na aula de inglês, um menino chamado Apollo (eu tinha nove anos, ele devia ter menos então não julguem o Apollo), que estava sentado na carteira do lado da minha, acidentalmente encostou no meu braço, olhou pra baixo e falou “eca, o que são essas manchinhas?” e puxou o braço dele com tudo pra longe do meu.

Eu sabia que tinha manchinhas, algumas estavam ali desde que eu me conheço por gente, outras, eram marquinhas de picadas de mosquito. E outras são marquinhas de nascença. O Apollo era branquinho, eu, sou uma mistura, eu sei que um lado da família veio da Itália, no lado da minha mãe, a família do meu avô era Espanhola e a da minha avó era indígena + alguma outra região europeia.

E aquela não foi a primeira vez que eu tive vergonha de mim, do meu corpo, ou da minha pele, mas foi a primeira vez que uma pessoa de fora expressou completo nojo por ela, e aquilo me marcou.

Então por anos depois desse episódio, eu usava casaco no frio, no calor, na piscina e na praia, e quando alguém perguntava o motivo eu falava “não posso perder o estilo”.

Mas é tão louco, né? O quanto as coisas nos marcam, eu hoje enchi meus braços de tatuagens, e uma parte de mim sabe que o motivo disso foi pra quebrar essa vontade de escondê-los. E de ter vontade de mostrá-los, admira-los e verdadeiramente amá-los como eles devem ser amados.

Minha pele, minha cor, minhas manchinhas, são parte de todos nós, brasileiros, misturados, e isso não é motivo de vergonha.

É isso aí, obrigada por lerem até aqui, foi, verdadeiramente um delírio de uma terça-feira à noite, pré feriado, eu nunca encontrava lugares pra ter esse tipo de monólogos, mas agora tenho esse espaço aqui. E muito obrigada caso você queira se juntar a mim e conversar, vou adorar!

Sobre Tatuagem

Eu não sei se todos os tatuados aqui se sentem desta forma, mas eu tenho uma relação mais que especial com as minhas tattoos. Quando eu paro e me olho, vejo todos esses desenhos na minha pele, me dá uma felicidade enorme.

Eu nem sempre gostei de tatuagens, por anos da minha vida, jurava de pés juntos que JAMAIS faria uma, era influenciada por um lado mais conservador da família, e julgava até a minha própria mãe (me desculpa mãe, sei que já pedi, mas é sempre bom reforçar). Quando eu entendi que tatuagem era uma arte, uma forma de expressão, eu já comecei a pensar em tudo que eu queria para sempre gravado em mim. Mas não foi fácil, no começo, toda vez que eu fazia uma nova tatuagem, ao invés de me sentir livre, e mais eu mesma, eu me sentia uma decepção, eu era julgada, ouvia coisas que doíam.

Com o tempo, graças a Deus isso foi melhorando, e acredito que essas pessoas que me julgavam, começaram a entender que meu corpo é meu templo, e nele quero deixar marcas, representações de momentos, de sentimentos, e de amores, e que a tatuagem não me diminui, ela me aumenta, ela me acrescenta, ela conta a minha história na minha pele. Tem algo mais bonito que isso? Por isso hoje, quando eu me vejo, TODA RABISCADA, um próprio gibi ambulante, eu tenho o MAIOR orgulho do mundo!

Como Eu Me Vejo

Eu não sou de conversar sobre essas coisas, mas acho válido dessa vez. Por anos e anos da minha vida eu sofri com a minha aparência. Eu sempre me achei gorda demais, as pernas grossas demais, a cintura muito larga, os ombros largos, os peitos grandes. Sempre me incomodou.

E na maior porte desse tempo em que eu não me aceitava, eu tinha apenas 15 anos, jogava handebol todos os dias, tinha um corpo lindo (que só 10 anos depois eu pude ver).

Agora, aos 25 anos perdi os 23kg que acumulei nos últimos 5 anos e, por mais que não tenha sido do jeito mais agradável que existe (tive que tirar a vesícula numa cirurgia de emergência), eu comecei a gostar mais do que eu via no espelho, comecei a me achar verdadeiramente bonita.

Até que vesti esse lookinho, tirei as fotos e as achei lindas. Me senti linda, tô toda tatuada do jeito que sempre quis, não me incomodo com minhas estrias. Pensei “Vou tacar um vingette e postar”. Minutos antes de postar: “nossa, olha a minha papada, credo, essas gordurinhas nas minhas costas, meu braço tá muito grande!”.

É muito difícil, galera, essa aceitação de nós mesmas é difícil, essa pressão que nos colocamos, sempre queremos mais, e mais. Nunca estamos satisfeitas. Mas temos que nos lembrar: nós somos LINDAS, nós somos ÚNICAS e nós somos EXTREMAMENTE ESPECIAIS do jeitinho de somos. Por favor, lembrem de se amar!

Sobre Vestidos

Como prometido, aqui está a conversa sobre vestidos.

Eu nunca fui fã de usar vestidos, eu gostava de calças e shorts e bermudas. Ouvi muito “você tem que se arrumar mais, coloca uma saia”, “as pessoas comentam que você não se arruma”, “porque você não gosta de se arrumar igual suas irmãs?” (Sim, joguei vocês na roda sim).

E aí quando eu usava o tal do vestido a noite toda era “fecha a perna”, “sua calcinha tá aparecendo”, “você tá de saia, não faz isso”. Então sair de saia era um saco, não poder brincar com as outras crianças por estar de vestido e ter que ser “mocinha era um saco”.

Eu cheguei num ponto em que não conseguia mais usar vestidos, eu não queria me sentir presa ou obrigada a algo por conta de uma peça de roupa. Por um tempo eu decidi abandonar por completo a minha feminilidade e qualquer coisa que eu achava que se atrelava a ela.

Passei a odiar rosa, só usava camisas gigantescas que escondessem meu corpo, a única coisa que eu fazia por mim e que me fazia sentir bem era pintar o cabelo e fazer tatuagem.

Até que aos 45 minutos do segundo tempo, eu descobri que não é nada disso, você pode ser feminina e se vestir do jeito que bem entender. Você pode usar vestidos sem ser “mocinha”, o rosa é uma cor linda, nada disso de que é cor de menininha.

Vamos parar de colocar as coisas e as pessoas numa caixa de como viver e como se comportar, deixem as pessoas serem como querem ser, deixa o povo ser feliz. É isso.